Fechar



Painel

Observatórios

Argumentário do Projecto CS&SC

Print E-mail
Written by Alfreda Cruz   
Article Index
Sinopse da Sessão Presencial de Lançamento do Observatório do Cidadão
0.Apresentação dos Membros da Equipa Presentes no Painel
1. Historial genético do Projecto e Função que nele assume o Protótipo do Observatório do Cidadão
2. Da Sociedade da Informação à do Conhecimento
3. Teses Específicas
4. Linhas Gerais do Debate
Notas ao texto
All Pages

Notas ao texto

Sinopse do argumentário desenvolvido no E-book Cidadania & Sociedade do Conhecimento Por um Novo Contrato Social ( Estado da Arte do Projecto C&SC), integrado no presente site ( http://cidadania-social.fc.ul.pt ) no link Observatório do Cidadão_Recursos Cognitivos, sendo os Livros I e II, assinados por Maria Alfreda Cruz ( Livro I) e por Tereza Ventura ( Livro II). O texto das Partes I e II remete para a Bibliografia inserta nos correspondentes Livros do E-book .

Elisabete Oliveira (Ph D-FPCEUL; Pintora; Conselheira Mundial InSEA/UNESCO, ’88-’97) integrou a equipa que apresntou o Projecto-âncora à FCT em 2006.

João Lopes Alves ( membro integrado no CFCUL e membro da Sociedade Poruguesa de Filosofia) mantém desde 2006 a articulação à equipa na prespectiva da ponderação co Contrato Social inerente às perspectivas de longo prazo do Projecto – Âncora.

Professores Paulo Machado, Luísa Schmidt e João Vasconcelos Costa

Gestão de Projectos em Parceria cuja Comissão Científica foi integrada em 2004 pelo Professor Luis Moita, Vice-reitor da UAL, pelo Prof. Paulo Machado então Coordenador do Núcleo de Estudos Sociais do LNEC por Maria Alfreda Cruz, então promotora do actual projecto, em regime sabático no âmbito do Departamento de Investigação e Desenvolvimento do INA.

Sintomaticamente expresso na parceria constituída pela Câmara Municpal de Montijo com a Fundação da Universidade de Lisboa, para a criação de um Centro de Saberes em Montijo no início do século XXI que, em nosso entender é passível de se aproximar do conceito das Universidades Populares impulsionadas na I República e cujo lançamento em Setúbal se ficou a dever à iniciativa de Bento de Jesus Caraça, no âmbito da sua actividade em prol da articulação entre Ciência e Cidadania como substrato da Cultura Integral do indivíduo, conceito que retomaremos em Glossário

Anexo 5 dos constantes do E-book _Livro III acessível através dos Recursos Cognitivos

Todas as referências bibliográficas invocadas neste capítulo remetem para a Bibliografia inserta no E-book _Livro II, acessível do mesmo modo.


ANTÓNIO GUERREIRO, “O Social”, Programa da Crítica do Quotidiano. Conferências Internacionais. A Política/ A Ecologia/ O Social, Mar-Nov 2008, Porto, Fundação Serralves.

demonstra que a actividade autárquica está confrontada com a desmotivação dos munícipes e que passar desse estádio incipiente da cidadania para o da plenitude a que o Projecto se propõe, implica a necessidade do recurso da intervenção autárquica a consultorias especializadas que apoiem as práticas de envolvimento dos munícipes na apropriação dos conteúdos que lhes são propostos, bem como a relação destes com as práticas educacionais aos níveis adequados. No âmbito do Projecto-âncora do OC (Projecto C&SC) as consultorias previstas reportam-se às áreas temáticas das Políticas de Investigação e do Ensino Superior, em que se baseia a lógica da I&D, as Políticas Sociais em que se baseia a filosofia inclusiva do Projecto e as do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável em que se baseia a dimensão da sustentabilidade destes vectores das praxis assumidas na transversalidade do bairro à megalópolis. Os 3 consultores que, em 2006, corresponderam ao convite da Equipa foram respectivamente os Professores João Vasconcelos Costa, Paulo Machado e Luisa Smidth. que, ao tempo da apresentação do Formulário à FCT, se apresentavam institucionalmente ligados à Universidade Lusófona, no primeiro caso, à UAL e a o LNEC, no segundo, e ao ICSda Universidade de Lisboa, no terceiro. Assume-se que o conhecimento tácito individual é amplificado ao longo dos quatro modos de conversão do conhecimento (individual – grupal – organizacional – social) até ser cristalizado nos níveis ontológicos mais elevados (organizacional ou inter-organizacional) e que os movimentos entre as modalidades da conversão do conhecimento “são caracterizados por quatro processos: diálogo, networking, aprender-fazendo e construção de um campo ou de um clima (field building).